segunda-feira, abril 07, 2008

Um animal sonhado por Kafka


Henri Rousseau, O sonho, 1910, óleo sobre tela 6' 8 1/2" x 9' 9 1/2", The Museum of Modern Art, New York.

É um animal com grande cauda, de muitos metros de comprimento, parecida com a da raposa. Por vezes eu gostaria de segurar sua cauda, mas é impossível; o animal está sempre em movimento, a cauda sempre de um lado para outro. O animal tem algo de canguru, mas a cabeça pequena e oval não é característica e tem alguma coisa de humana; só os dentes têm força expressiva, quer os esconda ou mostre. Costumo ter a impressão de que o animal quer me amestrar; senão que propósito pode ter ao retirar-me a cauda quando quero agarrá-la, e depois esperar tranqüilamente que ela volte a atrair-me, para logo tornar a saltar?

Franz Kafka

Jorge Luís Borges, O livro dos seres imaginários, São Paulo, Globo, 2000, p. 28.

Um comentário:

-rain disse...

Aléxia! :D
Quanto tempoo.
Como estás?

Belo texto. Belo blog.