domingo, fevereiro 24, 2013

"Entre os atributos mais surpreendentes da alma humana”, diz Lotze, “está, ao lado de tanto egoísmo individual, uma ausência geral de inveja de cada presente com relação a seu futuro”. Essa reflexão conduz-nos a pensar que nossa imagem da felicidade é totalmente marcada pela época que nos foi atribuída pelo curso da nossa existência. A felicidade capaz de suscitar nossa inveja está toda, inteira, no ar que já respiramos, nos homens com os quais poderíamos ter conversado, nas mulheres que poderíamos ter possuído. Em outras palavras, a imagem da felicidade está indissoluvelmente ligada à da salvação. O mesmo ocorre com a imagem do passado, que a história transforma em coisa sua. O passado traz consigo um índice misterioso, que o impele à redenção. Pois não somos tocados por um sopro do ar que foi respirado antes? Não existem, nas vozes que escutamos, ecos de vozes que emudeceram? Não têm as mulheres que cortejamos irmãs que elas não chegaram a conhecer? Se assim é, existe um encontro secreto, marcado entre as gerações precedentes e a nossa. Alguém na terra está à nossa espera. Nesse caso, como a cada geração, foi-nos concedida uma frágil força messiânica para a qual o passado dirige um apelo. Esse apelo não pode ser rejeitado impunemente". Walter BENJAMIN, Teses sobre o conceito de história.

2 comentários:

Obsessivo disse...

OBSESSIVOS - A Revelação Final

http://issuu.com/luisclaudioaraujo/docs/obsessivos-parte1

http://obsessivos.blogspot.com.br/

Alberto Quadros disse...

Sinto-me menos leve com tudo isso. É bonito de se ler, concordo. Mas é pesado demais para o estilo de vida que me agrada. Como diria Fernando Pessoa, é um texto "ridículo, como uma carta de amor". A minha Mãe dizia, "filho, a vida são dois dias, o primeiro passou, aproveita o segundo".
Escrevo quase todos os dias no meu blog www.sonhoscomsorte.blgspot.com se puder e quiser, leia um pouco do que lá escrevo e agradeço a crítica severa q.b, um abraço